Total de visualizações de página

sábado, 7 de dezembro de 2013

A Thousand Years

Mil anos


O coração acelerado
Cores e promessas
Como ser corajoso
Como posso amar quando tenho medo de me apaixonar
Mas ao ver você na solidão
Toda a minha dúvida de repente se vai de alguma maneira

Um passo mais perto

Eu morri todos os dias esperando você
Amor, não tenha medo
Eu te amei por mil anos
Eu te amarei por mais mil

O tempo fica parado
Há beleza em tudo que ela é
Terei coragem
Não deixarei nada levar embora
O que está na minha frente
Cada suspiro
Cada momento trouxe a isso

Um passo mais perto

Eu morri todos os dias esperando você
Amor, não tenha medo
Eu te amei por mil anos
Eu te amarei por mais mil

O tempo todo eu acreditei que te encontraria
O tempo trouxe o seu coração ao meu
Eu te amei por mil anos
Eu te amarei por mais mil

Um passo mais perto
Um passo mais perto

Eu morri todos os dias esperando você
Amor, não tenha medo
Eu te amei por mil anos
Eu te amarei por mais mil

O tempo todo eu acreditei que te encontraria
O tempo trouxe o seu coração ao meu
Eu te amei por mil anos
Eu te amarei por mais mil

domingo, 24 de novembro de 2013

No verão

Por um momento, Maria não soubera onde estava, onde esteve. Acorda meio desorientada, despida e estranhamente feliz. O sol não pudera ser mais lindo do que estava por ser do outro lado da janela nesta manhã. A sensação em sua pele era de algo entre o algodão e o paraíso. No chão, havia um tapete muito confortável de ser pisado. Ao menos foi isso que ela pensou quando deitou-se com a barriga para baixo, de maneira a fitar o chão. Percebeu um par de chinelos 41 no lado da cama. Reconheceu o seu chinelo também, apenas um pé, pois o outro muito provavelmente estava perdido por debaixo dela. Ela percebe barulho de água que vinha de trás de uma porta. Podia ouvir também o cantarolar de uma voz familiar. Ela permanece deitada, apenas por esperar que algo aconteça, ou apenas a aproveitar o descanso enquanto nada acontecia. Um homem abre a porta, enrolado em uma toalha branca. Maria pensa em gritar, fugir, sair correndo, mas os olhos do homem eram mais familiares do que tudo que já vira, mais familiares que o balançar das árvores pelo vento na rua. Ele deu um beijo rápido em seus lábios, largou a toalha em cima da poltrona, vestiu-se com uma cueca qualquer. Não parecia estar muito preocupado com a presença de Maria a perseguir-lhe com os olhos estalados e imóveis. Ele dirige seus olhos lindos, cor de luz, ao rosto de Maria:
-É, eu sei, também não acredito que estamos aqui. Melhor que nos nossos mais lúdicos sonhos, com essa minha linda mulher, por toda essa sua morenice! - ele passa seu dedo indicador pelo lado do corpo de Maria, dando ao lençol, a forma da silhueta do corpo dela.
Maria tenta falar algo, mas sua voz não sai. Vê uma foto dela com aquele homem na parede. Vê uma foto dele espremendo laranjas, com uma montanha de bagaços ao lado, e ele com laranja por todos os pedaços do seu corpo, dando risada. Ela sorri. Ele complementa também sorrindo:
-Logo faço mais suco para você! Mas nada de guerras desta vez!
Ele chega próximo ao rosto de Maria. Ela olha dentro, além dos olhos dele, e sabe que não precisa saber nada além do que está a ver agora. Ele a ama.

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Teorema de um poeta

Você não me vê. Não sabe quais são as minhas músicas favoritas. Não sabe o tom da minha voz nem a cor do meu olho. Não fala minhas gírias. Não gosta das roupas que eu uso. Você não me conhece... Ainda. Mas você vai ser a minha vida.

domingo, 27 de outubro de 2013

Rosa, Livros e Asteroides - II



-Ah! Algumas coisas perdem o encanto quando reveladas... Isso é apenas você por mais algumas páginas, poucas dela. - diz ele.

-As últimas a serem tocadas fora de Washington... Você não roubou esse livro, né? Me diga que não! - a cara dele é de riso, dando o ar da incerteza que tanto a incomoda. - Essa sua cara. Aposto que esse livro dever ser do tempo da Unisinos. Agradeça o cometa por você não estar falido em multas por não entregar seus livros!

-Eu só pegava emprestado. E depois vendia. Simples! E foi asteroide, mulher. - uma tentativa falha de repreensão só sorrir surge. Ela amava-o por ser esse cara confuso e descomplicado, ainda não compreendendo como isso pudera ser possível.

-Tá bom! Você disse estar com fome. Não fiz nada de especial. Tem proteína na geladeira.
Ele aponta com o polegar direito para a mesa da cozinha. Há uma comida que por muito ninguém via.

-Uma pizza! - exclama ela. - De fricassé! - após a euforia de ver uma comida diferente de proteína, vem a dúvida. - Frango de verdade?

-Meu amor, você é especial e eu te amo por isso, porém não. Não reinventamos as galinhas. Não é frango. Mas é como se fosse. Acredite. Seja positiva e sinta o frango! Sinta o creme de leite... Veja como a vida tem infinitas possibilidades!

-Você é um completo idiota! - ela dá um beijo nele. Coloca os pratos e os talheres sobre a mesa, de maneira emocionada. Tenta desviar sua atenção de sobre a pizza. - Sofia está com problemas no trabalho. Tem um novato que não aceita o que ela diz.

-Mulher, temos 3 filhos e até hoje você não aceita o que eu digo. Ele deve estar querendo apenas chamar a atenção. Se ele não fosse bom o suficiente, não estaria na equipe de Sofia.

A mesa fica silenciosa por alguns instantes, enquanto ambos degustam a tal pizza de frango que não é de frango.

-Isso é sensacional! Posso comer isso pro resto da vida! - diz ela.

-Não. Isso não seria bom. Porém, você tinha razão. Dei um pulinho em Washington hoje de manhã depois de entregar os cilindros. Esse lance de cilindros já está, como diria seu pai, um pouco démodé. E o Leandro me abandonou. Quem seria utilizável o suficiente para passar o dia entregando cilindros pelo valor que pagamos pra ele? Então o Andrezinho me manda clocker nada imaginável.

-Quem diabos é Andrezinho?

-Você falou com ele uma única vez e o enganou. Lembra quando sofri o acidente que perdi os dedos do pé? - com a boca mais que cheia, ela balança a cabeça de forma afirmativa. - Pois você passou no jornal e enrolou um estagiário que te disse em qual hospital eu estava, informação esta, confidencial para você na época.

-Ah, sim... Um com cara de incompetente! Não lembro das feições do rosto dele. Lembro de espinhas, óculos, suspensório, desajeitado, em fim, um fracassado. O que tem esse cara? E por que vocês mantém contato sem você nunca ter me dito?

-Hoje, digamos que ele tenha mudado um pouquinho. Sem espinhas, sem óculos, sem suspensório, sem quebrar nada. Pois então, astrofísico, engenheiro químico e de materiais brilhante, reconhecido nas altas alas de todas as fortalezas. Talvez Sofia até o conheça. Ele fica na fortaleza de Washington pesquisando coisas inovadoras e me achou.

-Não venha me dizer que você é a inovação do mundo?

-Talvez.

-Uma inovação modesta, também! Senhor Inovação, só me explica de onde você tirou essa pizza?

-Oras! Você é linda mesmo falando de boca cheia. Já te disse isso antes? Bom, foi com o Andrezinho! Ele me achou por coincidência de sei lá o que, lembrou que eu era um dos poucos, senão o único, que não o chamava de incompetente e que sempre fui aberto a loucuras. Mandou um clocker perguntando como eu estava vivo e coisas de quem se encontra depois das fortalezas. Ele veio aqui e me trouxe uma fatia de pizza a moda da casa dele. Foi a melhor comida dos últimos anos!

-Qualquer coisa é melhor que essa proteína. Nosso café da manhã é proteína gelada, o almoço proteína quente e de janta, ensopado de proteína. Pizza é o paraíso. Quando se está no inferno, qualquer coisa menos pior já é chamado de céu.

-Certo! Com as grandes mentes vivas pensando em como manter a vida humana viva, esqueceram das futilidade. Tenho saudade do Angus do Mc, da batata, do xis do Moita, de estrogonofe.

-Falando dessas comidas de pobre dos anos dois mil, nem parece que foi um grande cheff, especializado na França.

-E onde está a França agora? Desapareceu com resto do mundo. Vamos combinar, sou humano, bicho, preciso de carne!

-Percebi isso quando você ficou comigo! - Ambos riem. Ele retoma o pensamento.

-Ó, querida Maria, você percebe o quanto essa invenção química do Andrezinho pode ser maravilhosa? Podemos ser os novos donos do fast food mundial!

-Levando em consideração que o mundo se resume a bem menos do que um centésimo do que era...

-Levando em consideração que podemos dominar o mercado do que todos esqueceram. Não é só comida. Maquiagens, perfumes. O André se tornou um gênio em fazer o que já existiu. Só que ele ainda não tem muito o dom da interlocução. Já a gente. Sabe como é.

-Você disse maquiagem?

-Sim!

-Eu já disse que te amo?

-Gosto de ouvir você falar isso. Mas fale bem alto desta vez!

A possibilidade de fazer o mundo que restara um pouco mais humano, um pouco mais como já foi, um pouco mais feminino, talvez menos frio, fez ela transbordar suas maluquices, suas lembranças. As fortalezas tinham tudo que precisavam. Ração humana, trajes padrão, oxigênio limpo, ensino, tudo racionado, tudo racional. E as futilidades da vida na Terra, onde foram? Comer besteira, ir à praia, ficar bonita para alguém. As fortalezas protegiam os que sobreviveram das inconstâncias da Terra. Mas ao mesmo tempo, as fortalezas, preenchidas por redes tecnológicas, aprisionavam as pessoas em uma sociedade morna e falida de sentimentos. O capitalismo não morrera, mas está morno tanto quanto o resto, pelo bem ou não. Ele aposta em fazer algo de melhor para os que estão por lá. Ela aposta nele. Sempre apostou.

-Eu te amo. Sempre amei. Te amo como nunca pensei que fosse durar, mas durou, dura. Aceitei os termos de compromisso sem ler as mil e duzentas páginas, e não me arrependo, mesmo você vindo com alguns defeitos de fábrica e sem manual de instruções!

domingo, 20 de outubro de 2013

Quando os pássaros caem

- Tudo bem – ela disse – pode entregar seu rico amor só pra quem você achar merecedora, mas se desse chance para alguém seria mais fácil. Não acha?
Ele riu.
- De novo isso? – suspirou – Você me deu sua opinião e uma sugestão. Eu a anotei e guardei carinhosamente. Agora cabe a eu decidir quando, como e se vou usá-la. – cutucou o pássaro mais próximo com a ponta do pé – Elas parecem bastante saldáveis. Já imagina por que isso aconteceu?
- Não – ela recolheu o animal e o depositou com cuidado dentro da caixa que ele carregava – E você?
- Ira divina sobre esses imundos ratos com asas? – sugeriu. Encolheu os ombros – Você é a especialista aqui, eu sou só o cara da caixa – balançou a caixa para dar ênfase.
                - Eu não sou formada. Quando seu professor morre e ninguém parece muito preocupado em mandar substituí-lo fica difícil continuar aprendendo – percorreu a praça com os olhos. Haviam muitos corpos da imensa variedade de pássaros que se pode encontrar em uma cidade – Se eu tivesse experiência em dissecar talvez fosse mais fácil.
                - Ah, mas você tem acesso a muitos livros com gravuras belíssimas...
                Ela fez uma careta.
                - Sempre fui mais chegada a um bom romance – colocou outra pomba na caixa.
                - Pegue alguns pardais também. São mais fofinhos.
                Recolheram mais alguns espécimes e foram embora. Ela havia dito que viria de bicicleta, se não precisasse carregar peso, portanto ele a servira de motorista também.
                - Vou passar no laboratório mais tarde – ele disse quando se despediram – Pra ver se já descobriu alguma coisa.
                - Ótimo – torceu a boca, algo entre uma careta e um sorriso – Isso vai me motivar a abri-los e procurar alguma coisa.
                Quando se viram novamente, algumas horas depois, ela sorria. Pelo jeito como manejava os pássaros, havia superado o nojo inicial. Estavam dispostos em cima de uma bancada, ele agradeceu mentalmente por ela ter alcançado a ele um que não havia aberto. Ele apanhou o animal e ergueu o sobrolho.
                - Não parece pesado? – ela perguntou.
                - Hm – levou a outra mão à testa e franziu o cenho, pensativo – Deixe-me resgatar à memória a ultima vez que segurei uma pomba...
                Ela revirou os olhos. Pegou a pomba e a colocou sobre uma balança na mesa.
                - Ela pesa um quilo e meio – martelou as palavras com o indicador – Mais que o triplo do peso de uma pomba normal – fez um gesto amplo para os outros pássaros – Aves são feitas para serem leves. As que voam, pelo menos. Esses morreram de exaustão.
                - Elas não parecem muito maiores do que as normais – pensou um pouco – Estão mais densos...
                - Anda visitando a academia? – disse ela sorrindo.
                Ele ficou confuso por um segundo. Olhou seu antebraço. Tinha desenvolvido músculos discretos, mas que dificilmente poderiam ser atribuídos à digitação e cliques de mouse. Entendeu.
                - Gastei uma fortuna em cereais – viu que ela não ria - Acha que foi o gás? – olhou para ela de cenho franzido – Disseram que não é tóxico... – olhou pela janela do laboratório. Estavam no quarto andar com uma vista relativamente boa dos prédios da cidade – Milhares morreram e milhares continuam voando – olhou para ela – Definitivamente não é letal.
                - Diga isso pra eles – disse ela sorrindo zombeteiramente e apontou novamente para as aves – Humanos e aves são diferentes. Eles não conseguiram se adaptar. Ah, sim – lembrou – São todos machos.
                Ele assentiu devagar.
                - Você descobriu algo importante aqui – disse – melhor anunciar como sua descoberta. Talvez até ganhe o premio Nobel.
                - Hm – ela concordou. Os dedos tamborilando no tampo da mesa, a outra mão escorada no quadril. Seu cabelo preso para trás num coque improvisado deixando mechas do cabelo liso pendendo dos lados da franja. Os olhos de um azul escuro fitando o pequeno ser emplumado mais próximo, olhando sem ver. Ele quase podia ouvir as engrenagens de seu cérebro trabalhando, o pensamento muito longe dali.

                Dizer que ela é linda é uma maneira muito pobre de descrevê-la, ele se pegou pensando.

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Rosa? Comigo não.

Ele se espreguiçou.
- O amor não existe realmente.
Ela sorriu, guardando o celular.
- Isso é um veredito?
- Talvez. - pensou um pouco - Tem provas do contrário?
- Talvez. - tamborilou os dedos no joelho - Por que essa desilusão amorosa do nada?
Ele soltou um suspiro cansado.
- Se existe amor, onde ele está? Estou procurando no lugar errado? Nas pessoas erradas? Ainda não o encontrei...
Ao longo dos anos muitos tentaram definir o amor, mas algum deles havia pedido a opinião feminina? Ele não lembrava, mas não custava tentar. Olhou para ela, como que esperando uma resposta definitiva para suas duvidas.
- Como é que eu vou saber? O amor é natural. Não se vê, não se pega. Se sente e se vive. Acho que sua definição de amor está errada.
Não era aquilo que ele queria.
- Isso que você diz... Isso não é amor - fitou as janelas do prédio à frente do banco onde estavam sentados, buscando inspiração - O amor está onde a alma toca o corpo, por assim dizer. Não onde os corpos se tocam.
Ela riu.
- Um ateu falando de almas... Acha que eu não sei que existe uma diferença entre pênis e coração? - riu novamente – Além do mais, o amor de uma pessoa não é um saco de batatas, você pode dividí-lo com outras pessoas sem medo que se esvazie - ergueu um dedo - O amor não é único como você disse. Melhor, ele é único, mas varia de uma pessoa a outra. Não se ama mais ou menos alguém em relação a outra, mas se ama cada pessoa de uma forma diferente e única - concluiu sorrindo, parecendo, para ele, com uma criança que acaba de ditar e resolver uma conta difícil de cabeça.
Pensando nisso ele também sorriu.
- Tudo bem... Então você acredita no Roberto Carlos, não?
- Quê? - respondeu desconcertada.
Ele riu.
- Eu o odeio com toda minha existência, mas conheço muitas musicas. Já prestou atenção nas letras? - encarou-a com os olhos cerrados - Acredita em toda aquela baboseira? Ele parece um marinheiro, compondo com seu ultimo relacionamento pra seduzir outra garota no próximo porto.
- Você nunca se apaixonou?
Aquilo o pegou desprevenido. O que poderia dizer?
- Sim - pensou um momento - Mas estamos falando de amor, não de paixão. Quando se apaixona, leva-se em conta a imagem que se criou da pessoa, que dificilmente não é perfeita. Ouvi dizer que o amor vem do conhecer e amar até mesmo os defeitos.
- O amor vem depois da paixão. É isso que você queria, não é? - disse ela, levantando e parando em frente a ele - É aí que fica o amor. Deixe-se conduzir pela sua próxima paixão e ela te levará até a porta do amor, talvez até te apresente a ele.
Ela puxou-o do banco e o deixou de pé.
- Já estávamos atrasados antes de você começar a divagar seus choramingos. - apontou para a entrada do prédio - Agora, tchau.
Ele estava quase na porta quando olhou para trás, vendo-a ir embora na direção oposta. Coçou o queixo, deu um sorriso triste e entrou.

terça-feira, 23 de julho de 2013

Rosas, Livros e Asteroides

O projeto do residencial geriátrico na França não mais poderia ser concretizado. Sua filha mais nova já anda investigando suas possíveis habilidades de futuro. Não tiveram todos os filhos dos planos de 30 anos atrás. O mundo na rua também está bem diferente. Ninguém mais vai à rua. Neve de manhã. No mínimo 45 graus Celsius à tarde. As calotas... Bem, constam nas redes de história e geografia dos menores. Os livros estão apenas no Museu Central de Washington. O Sol serve como energia para sustentar a infra-estrutura das grandes fortalezas. A Lua serve de lembrança para os eternos românticos, de ambiente para desenvolver tecnologias radioativas e de centro de análise para cálculos da rota elíptica terrestre, que sofre desvios constantes. A internet é distribuída junto com a eletricidade sem fio, disponível de maneira gratuita a todos. A água era dessalinizada e racionada. As plantações se davam em estantes de prédios de pequeno porte, de aproximadamente 40 andares. O ar era filtrado por grandes estruturas de 500 em 500 metros. Aquele que achasse pouco, poderia comprar um filtro para sua própria casa ou, como solução mais barata, comprar seu cilindro de oxigênio. O oxigênio não era tão caro quando comparado ao valor do próprio cilindro. A extração de metais da natureza era muito complexa e em grande parte era destinado à ampliação das fortalezas.

-Olá mamãe! Como está?

-Bem, Sofis! E como foi seu dia hoje?

-Ah... O de sempre, né mãe. Não aguento mais o novato. Não aceita ordens. Acha que tem soluções milagrosas. Cê sabe que jogar num videogame é bem diferente que pilotar uma nave. Pois ele não. Mas onde está papai?

-Seu pai está entregando dez cilindros. O Leandro se demitiu hoje de manhã, disse que tá cansado dessa vida de entregador e quer ter seus próprios cilindros.

-Cê acha que isso vai afetar os aluguéis do pai? Um concorrente surgindo?

-Não... Aposto que depois de gastar todo o dinheiro que ele pegou, vai voltar aqui pedindo emprego e seu pai vai dar, aposta quanto?

-Sei que papai tem bom coração, desde quando ele me levava pra aula e... Ah! Nostalgia não me faz bem.

-Você tem razão, Sofia. Me fala mais sobre o novato. Certeza que é só a marra dele que te incomoda?

-Claro, mãe! Não me venha falar de amores por agora!

-Hey! Foi você que falou de amores! Minha filha, já fui jovem. A Terra era diferente, mas as pessoas eram as mesmas. Não há nada mais perigoso que um garoto charmoso.

-Tá bom, oráculo! Vou tomar um banho antes que acabe o horário.

Ela recebe uma mensagem em seu clocker. Era ele. Sempre tão humano. Sempre tão romântico. Talvez seja o último deles.

Não precisa tanta vaidade 
Esquece a maquiagem
Já tô no elevador
Antes de você se perfumar
Sinto seu cheiro do corredor...
Meus olhos só querem te ver
do jeito que você tá!” 

Essas palavras recordam uma música sem melodia, de quando o verde tomava conta dos parques. Ele envia mais uma mensagem.
Me encontra no B-J13 agora. Tô te esperando. Te amo.”
Ao chegar no local referido, encontra uma rosa vermelha no banco. Sob a rosa, o clocker do seu amado, que projetara a frase “Volta logo pra casa que eu tô com fome!”. Ela sorri e pensa o quão bobo ele consegue ser e o quão apaixonada ele ainda a deixa, mesmo depois de 3 filhos. O leitor óptico reconhece a íris dela e a porta de sua casa se abre. Sobre a mesa da cozinha, o presente mais inesperado: o último exemplar terrestre do Guia do Mochileiro das Galáxias.
-Deus do céu! De onde você tirou isso?

sexta-feira, 19 de julho de 2013

Fricassê


-Têm pizza de strogonoff, calabresa,  lombo, fricassê e à portuguesa. - Diz a senhora da lancheria da esquina.

Fricassê. O que poderia ser esse tal de fricassê. De onde ela vem, nunca ouviu falar sobre isso. Não vê outra maneira menos cabulosa de descobrir a não ser pedir.

-Me vê uma fricassê então!

A ajudante coloca a fatia da pizza no microondas enquanto ela pagava sua solicitação.

-Só a pizza?

-Um copo de guaraná e um doce. Deixa ver qual... - ela olha para a parte dos doces e encontra na fileira de baixo, quase escondido, algumas unidades de Kit-Kat. - Ah! Vocês têm Kit-Kat! Me dá um também, por favor!

Enquanto isso estava ele fazendo seu pedido à ajudante. Ela não havia reparado sua presença. Ao virar-se para sentar em alguma mesa disponível, para comer seu lanche, percebe a presença dele. Sorri.

-Você por aqui?

Ele sorri o sorriso de sempre quando o fazem perguntas óbvias. Logo ele senta à mesa dela para fartar-se de seu pedido. Uma fatia de pizza de strogonoff e um copo de suco energético de laranja.

Ela olha para seu prato e pensa "strogonoff de frango!". Por que não avisaram antes.

-Ele não precisava ter batido tanto em você.

-Oras, diante do que ele viu... Até explicar que elefante não bota ovo! Você sabe como é. Você não faria diferente. - diz ele.

-Desde quando eu bato em alguém? Eu viraria as costa e iria embora! Bom, no fim, reverti a situação. Expliquei que você estava me ajudando pois me engasguei com minha própria saliva. Ele tava vendo minha situação deplorável. Falei o quão escroto ele foi e que devia no mínimo um pedido de desculpas a você. E ainda pedi um tempo a ele.

-Tempo não existe!

-Eu sei. Espero que ele também saiba.

Ela termina a pizza e pega o Kit-Kat.

-Se eu não precisasse tanto de uma dose de doce neste momento, te daria um pedaço.

Ele lança seu olhar desejoso pelo chocolate e diz:

-Precisa não. - Sorri e continua a comer o que restara em seu prato.
O dito doce possui quatro pedaços compridos de wafer recheado, unidos por uma espessa camada de chocolate ao leite, que derrete à temperatura da boca. Ela come dois e deixa os outros dentro da embalagem.

-Pra você. - diz ela.

-Não. Você precisa mais do que eu.

-Se você não comer, vou deixar aí.

A garota diz isso e sai. Fica a esperá-lo no lado de fora. Quando vê ele a sair do local, dá um largo sorrir.

-Eu sabia que você queria!

-Também, você abandonou na mesa... 

Umas senhoras não magras tomam conta da calçada.

-Não basta elas serem gordas. Não! Elas tem que andar uma do lado da outra, trancando todo o trânsito.

-Elas são nossas chefes. - diz ele.

-Nada contra elas serem gordas. Nada contra serem nossas chefes. O único problema é trancar a rua. Ainda mais por ocuparem um cargo onde há planejamento e gerenciamento de pessoas. Não conseguem nem gerenciar suas bundas gordas para permitir o fluxo normal da rua, vão conseguir gerenciar uma equipe? Por isso que essa empresa é uma piada!

-Que acha de atravessar a rua?

-Preciso é de um novo emprego! Se não tiverem descoberto o gato na internet que o Gil fez pra gente, começo a procurar ainda hoje...

-E eu preciso de um celular novo. Pensei no Galaxy Pocket.

-Pequeno, mas um bom custo benefício.

-Hoje, às dez, no clichê?

-Você leu! Tá... Sabe, não gostei muito dessa de Fricassê.

-Pois é. Você não me perguntou. Strogonoff é muito melhor.

segunda-feira, 15 de julho de 2013

Não lave as mãos


"Vento solar e estrelas do mar
Você ainda quer morar comigo?
Eu só preciso ter você por mais um dia
Ainda gosto de dançar
Bom dia!
Sol, girassol, verde, vento solar
Você ainda quer dançar comigo?
Se eu morrer não chore não
É só a lua
É seu vestido cor de maravilha nua
Ainda moro nesta mesma rua
Como vai você?
Você vem?
Ou será que é tarde demais?
O meu pensamento tem a cor do seu vestido...
Vento solar e estrelas do mar [...]"

Solar. Um belo dia de sol pós dias nublados de grande calor atípico para estação vigente. Ele por distante. Ela por aí. Não foram os mais breves sorrisos que flagraram suas canções. Seja o antes do dormir, ou por próximo do acordar. Faz-se por ali, entre pensamentos, livros, dvd's piratas e estantes. Cada instante. Curtir e desfazer. Ninguém sabe, além dela e dele, mas ali permanece a notificação, onde nada há. E se simplesmente ela não voltar? E se ele acordar, como quando se tem um sonho muito bom que se queira voltar a dormir para poder saber o final...

 Depois do positivo para seu querer materno, a vida não foi por simples como mostra a foto que ele permanece a admirar, em cima da mesa de sua sala, com um sorriso de canto de boca dela. Sorriso dela, sem maquiagens odontológicas, sem plásticas faciais, com os primeiros sinais de tempo já visíveis. Outro dia ela houvera reclamado a diferença de viçosidade de sua pele. Ele conseguira ver apenas a garota de sempre, com a mesma pinta discreta no rosto, com as mesmas marcas de expressão provocadas pelo riso. Por um ano ou mais, ficara ela a viver sozinha, na cidade de Salvador. 

-Volto pro pampa semana que vem! - diz ela, animada, por telefone.

-Isso é um convite pro Uruguai ou você está dizendo que vai vir aqui pra Porto?

-Isso é um arruma logo um espaço pra mim na tua casa, porque vou morar contigo!

-Essa também vai pro teu livro de piadas do final do ano?

-Pelas minhas contas já são 13 livros de piadas do final do ano! Okay, não é piada. Consegui a transferência mais rápido que pensei. Morreu um velho em Porto Alegre. Vou substituí-lo. Agora crê?

-Sim. - Diz ele, em tom não muito receptivo.

-Esperava mais ânimo de você. Lembra de ter sempre um sim pra mim?

-Lembro. Te disse um sim. Não te prometi um sim feliz. Te prometi um sim. Como faremos?

Eles não se conversavam por meses. Trocavam pequenas frases nas redes sociais, um bom dia ou boa noite. Mas nada de muito pessoal. Houvera ele nesse tempo de solidão, envolvido-se com uma estagiária do jornal. "Belas pernas!" foi o que ele pensou quando viu a estagiária pela primeira vez. Bianca era seu nome. O jeito ainda sedutor dele aproximava-se da diagramadora. Bianca transpirava sensualidade. Do jeito que arrumava seu cabelo quando caia sobre os olhos até quando juntava o lápis que procurara o solo. Em alguma hipnose que Bianca provocara nele, ele cedeu. Suscetível a seus longos cabelos dourados como o girassol. Há uma semana Bianca houvera alugado seu apartamento para ir morar no apartamento dele, junto dele. Estavam como em lua de mel. Não houvera casamento, afinal, não era de Bianca que ele era noivo.

-Acho que ficamos um pouco distantes nesses meses. Tá sendo muito corrido tudo aqui pra mim. Dois semestres que voaram. Gente com sotaque estranho. Não são salvadorenses, ainda não me adaptei com o tal do soteropolitano  - ela suspira - Bom, como vão suas coisas? Como vai você?

-É, sempre te contei tudo... Pegaram o Amaral conversando com passarinhos e outras coisas mais malucas... enfim, me colocaram no lugar dele por tempo indeterminado.
-Se é só isso, tudo bem. Eu entendo que é uma pressão maior, ainda mais que teu livro tá na finaleira.

-Não. Não é só isso. Tem uma garota... Bianca - ela o interrompe.

-Nome de travesti! Haha... Não precisa nem continuar. Nunca quis tua fidelidade. Cachorros são fiéis. Humanos são felizes. 

-Oras! Por que diabos você sempre me interrompe?

-Desculpa...

-Ela tá morando aqui. Não posso colocá-la na rua.

-Hum... - ela respira de forma profunda - Eu pensei que tínhamos... Esquece. Eu sempre fui boba. Semana que vem te ligo.

-É só isso que você vai me dizer?

A vontade dela era de se teletransportar pra frente dele e dar um murro bem dado na cara daquele cafajeste. A fama dele nunca foi de santo. Nem a dela. Bom, provavelmente eles já foram cretinos com muita gente. Um vulcão prestes a entrar em erupção foi o que ela conteve em suas breves palavras.

-Por hoje, pode ser. Beijo, meu bem. - ela desliga.

Ele não disse que descumpriria seu pedido. Ele não negou um filho, nem um lar, nem os metais que ele houvera dado dentro daquela caixa preta que fazem mulheres chorar. Ele não negou o crescer da barriga, nem o envelhecer das faces. Ele não negou ou desmentiu os rios de poesias que foram a ela delegados. Ele saiu rumo a cidade baixa. Os tempos mudaram e não eram necessários festas open-bar para ele poder encher a cara. Andando por mais um pouco, catou uma roda de pagode. Não que ele gostasse de pagode, pelo contrário. Mas o que lá se encontrava era um pouco dela. Da alegria que um dia eles roubavam um do outro, um para o outro, por uma cama, por uma cobertura azul de céu, por uma ladeira qualquer, por uma sintonia em uma rádio aleatória de segundo plano. Bianca ligou para ele.

-Oi, meu liiiindo!

-Olá. - diz ele.

-Por que não chegou em casa ainda, meu gostosinho? Comprei uma lingerie nova que eu sei que...

-Vou chegar tarde, se eu chegar.

-Então eu já vou dormir. Beijo, meu Cacarico.

No início ele gostava desses apelidos que Bianca o dava. Mas uma semana acordando, tomando café, almoçando, trabalhando e indo dormir com essa multidão de coisas bregas, ele já estava estupefato. O celular de Bianca vibra. Ela lê, coloca algumas coisas dentro de uma bolsa e sai.

Em Salvador, depois do balde de água fria, ela não sabe o que pensar. Resolve apenas não pensar. Compra uma vodca não barata, uma lata de leite condensado e alguns Tang de pêssego. Baixa umas músicas da Vera Loca, faz uma batida alcoólica, tira da bolsa um Pocket da editora L&M, da Aghatha Christie, que havia comprado com o ticket alimentação e lê umas vinte páginas. Para quem ela estava tentando se mostrar forte? Ela não sabe. Ela não precisa. E chora. Chora pelo quão longe ela está de sua cidade. Chora pela quebra de planos. Chora pela cor dos olhos dele que eram tudo, menos da cor dos dela. Chora pelas espinhas das costas dele. Tira do dedo a aliança que ele houvera dado a ela e joga pela janela do quarto andar. Ela escuta:

-Mãe! Olha o que eu achei!

-Alguém deve ter perdido. Leva pra brincar, filha.

Ela abre a porta da casa, vai até a escada, pensa em ir até a rua para achar essa criança e pedir a aliança de volta. Ela não o faz. Volta para seu sofá, sua vodca e sua Aghatha. Desiste da Aghatha. Ela já não conseguira entender os personagens, nem seus nomes nada brasileiros, nem os assassinatos. Promete amanhã começar a ler desde o início de novo. As passagens já estavam compradas pela Azul. Chegaria segunda-feira de manhã. Hoje já é sábado. Nada de interessante nas redes sociais além das coisas de sábado, gente anunciando para o ex que está feliz sem ele, gente anunciando que vai tomar whisky para substituir a água, gente lamentando a solidão, gente declarando amor a própria cama. Patéticos, ela pensa. Ri, pois mais patética é ela. Tem a grande idéia de colocar todas suas roupas em cima da cama, montar looks de festa e se fotografar para postar e ver se alguém ainda curte sua maquiagem. Assim também já classifica as roupas que deverá levar para o sul e as que doará por lá mesmo, afinal, ninguém merece pagar valores a mais na hora do embarque. O vestidinho vermelho foi o campeão da noite. Maquiagem não muito carregada nos olhos, batom vermelho, salto e carteira pretos com detalhes em dourado, relógio dourado em um dos pulsos, no outro muitas pulseiras, brinco preto perolado gigante e a correntinha que ganhou de sua mãe que nunca tira ou substitui. Os móveis ela já havia negociado com o dono de seu apartamento. Não havia mais nada para fazer naquela noite. A vodca a olha. Ela olha para a vodca. O som vai para Kid Abelha. Ela resolve escrever, como por muito já fizera. Manda-lhe um e-mail.

Ele voltando completamente torto para casa, reclamando por não ter dinheiro para o táxi, reclamando por não lembrar de suas senhas do banco. Ele poderia pedir para alguém levá-lo, poderia dar a chave para um desconhecido dirigir até sua casa, poderia esperar o porre passar. Mas não. Ele foi dirigindo. Alguém mais embriagado do que ele invade a contra mão. Para desviar, acaba por bater em um poste. Ele não se lembra de nada até acordar as seis da tarde no HPS. Algumas fraturas.  Ele nunca foi muito bom com números, o único número que sabe de cor é o do jornal e da NET. Ele dá o número do jornal para uma enfermeira. Pede para avisar a Bianca que ele está no hospital e assim que der ele liga. Como ele tinha plano de saúde, o transferiram para outro hospital, onde ficou em um quarto só para ele. Ele ficaria no hospital por mais até amanhã no mínimo enquanto faziam exames mais detalhados. Segunda-feira entregam um buquê de rosas brancas no quarto dele.

O vôo chega a Porto Alegre sem muitos atrasos. Os dias estavam quentes mesmo sendo inverno, o que não ocasionava neblina nem maiores complicações. Ela deixa suas malas em um guarda-volumes do aeroporto. Vai direto ao jornal, já que o telefone dele dava fora de área ou desligado. Lá um rapazote dá a notícia do acidente. Ela diz que é prima dele e o garoto acaba por dar o endereço do hospital e o quarto em que ele está. Quando ela chega no hospital ele está fazendo exames e o horário de visita é do meio-dia até o meio-dia e meia. Ela resolve aguardar o horário para vê-lo. O sorrir toma conta do quarto. Ela diz:

-Você não podia esperar um pouco pra já começar a me dar preocupações?

Ela dá uma rosa vermelha para ele e dá um beijo na testa do doente.

-Pensei que você chegaria por quarta ou quinta.

-É que eu queria muito te ver no hospital.

Ambos riem. Ela olha para o buquê em cima do balcão lateral, onde guardam travesseiros, lençóis e cobertores.

-A Bibi é mais gentil que eu pelo visto. Mas ela errou na cor.

-Não sei quem enviou. - diz ele.

-Tem um cartão. Vou ler para você. "Desculpe-me, Cacarico. Não sei se você já sabe, mas pedi demissão lá do jornal pois me contrataram como efetiva da ZH. Vou morar com um amigo lá perto. Já tirei minhas coisas  da sua casa. Melhoras. Bianca."

-Como as coisas são rápidas! Saio para beber num dia e quando volto os dinossauros não existem mais!

-Pois a travesti te deu um bolo! Bom, agora que estou aqui e já terminei com seu casamento, destruí seu carro, você perdeu 2 dedos do pé esquerdo e está moribundo em uma cama de hospital, posso te abandonar, ir para a França lançar um livro e ficar rica, linda e glamourosa. E meu plano diabólico estará concluído! Muhahaha!!!

-Ou você pode esperar eu sair daqui as três horas da tarde, e vamos direto para meu apartamento, temos nossos 7 filhos, escrevemos um livro, vamos pra França, abrimos um residencial geriátrico e ficamos ricos, lindos, não tão glamourosos e felizes. Que acha?

-Pode ser. Pode ser muito bom!

-Você disse que perdi 2 dedos do pé esquerdo?

-Disse. Mas não era verdade.

-Ufa! - diz ele.

-Você perdeu só um dedo. O outro só não vai mais se mexer!

Chegando na casa dele, percebe-se que Bianca levou algo além das coisas dela. Levou o sofá, a televisão, a mesa de centro, a geladeira e o Mingau. O Mingau era o gato dele.

-Te enviei um e-mail. Se a garota não roubou a sua internet, dá uma olhada depois. Ah! Antes de escrever o e-mail, joguei fora a aliança... mas caixinha eu trouxe.

Ela vai ao banheiro. Ele pega o celular dela e lê o e-mail, que dizia:

"Por algumas vezes passei por você na rua, e não te vi. Uma vez comprei um ingresso de um cara que juro, só podia ser você, mas você não me viu. Por quantas vezes você esteve na minha mão e eu te deixei pelo vão dos meus dedos. Por quantos verões, por quantos carnavais desejei o seu riso solto, sem sequer saber da sua existência. Lembro quando te encontrei na biblioteca da escola trocando seu recreio por um livro, era uma projeção de você. Eu te projeto até hoje. Lembro quando eu no lado direito da rua direita via você no lado esquerdo ajudando um cego a atravessar a rua. Você sempre tão esquerdo. De partidos à teorias. De canções às suas mulheres. Ah! Por quantas eu esperei você se livrar. Por quantas te mostrei que eram boas e te disse para prosseguir. Eu só quero que sejamos felizes. Tantas melhores do que eu. Eu abdicaria de você para o seu bem. Só que hoje não é isso. Sou o seu bem, meu bem. E mesmo que por um telefonema eu quisesse te detonar com uma bomba nuclear, é só você que tem esse dom de me acordar. Amar é bem melhor que ver o amor passar. Se algum dia me disse que sou solar, você é o meu vento. Tudo bem se não der certo, meu bem, nós chegamos tão perto. Não desisti de você."

Ela sai do banheiro.

-Em nenhum momento eu preferi alguma outra. Se fosse preciso mil anos, eu te esperaria, fosse só ou acompanhado. Sempre te esperei.

Ele puxa ela para dar um beijo. Ele está em uma cadeira de rodas pois quebrou as duas pernas. Ela sorri.

-Se eu pudesse te dava um abraço apertado.

-Mas você pode. Quebrei as pernas, não os braços.

-Não é por isso. É que a Bibi levou seu papel higiênico, seu sabonete e a torneira do banheiro.

-Oras, só não me levou as cuecas! E suas mãos... dane-se! Quero seu abraço sem lavar as mãos mesmo, mas vá com calma se não tu mata o véio!


Passagem da música Um Girassol da Cor do seu Cabelo, de Ira!